astros

Como sobreviver a Mercúrio Retrógrado

Sabe-se que Mercúrio Retrógrado tem entre suas funções fazer a gente se lembrar de algo que a gente esqueceu. Sabe-se também que Mercúrio Retrógrado tem a ver com imprevistos e falhas de planejamento. Pois bem: é só juntar as duas coisas para concluir que Mercúrio Retrógrado está aí para nos lembrar da imprevisibilidade da vida, da qual a gente meio que se esquece sempre que faz nossos planos e previsões, enquanto, como igualmente se sabe, Hermes ri. E um dos sinais mais claros de como a gente tenta domar esse lado meio imponderável da coisa toda é, bem – toda essa atenção que volta e meia ganham as artimanhas de Mercúrio Retrógrado.

Por um lado, parece bom que esta força traquinas da natureza esteja retomando seus direitos e a reverência que merece através da circulação de informações astrológicas. Por outro, é cada vez mais comum vermos por aí manuais sobre como sobreviver a uma temporada de Mercúrio Retrógrado, com dicas tais como “evite assinar contratos”, “mantenha a calma e siga adiante”, ou “não esqueça de fazer o backup e de revisar o carburador”. O curioso disso é que se refaz um caminho comum a todo tipo de linguagem simbólica ou religiosa no ocidente: a um momento de verdadeiro respeito pela força do mito e do inconsciente, segue-se a transformação de suas imagens em alegorias, com seus respectivos ensinamentos de códigos de conduta.

Aconteceu com Jesus Cristo, uma força disruptiva e pisciana que mais confundiu do que esclareceu com suas parábolas e gestos ambivalentes, e acabou dogmatizada pela instituição que em tese falava em seu nome; aconteceu com as divindades pagãs absorvidas no sincretismo popular medieval, depois convertidas nas figuras alegóricas das peças didáticas conhecidas como “moralidades”, povoadas por personagens como a Justiça, a Pureza e a Parcimônia; e acontece hoje no comércio dos arcanos do tarô, com seus breves manuais explicativos, em que o Hierofante se reduz a palavras-chave como Casamento e Sabedoria, sem que esteja nada claro o que o Casamento tem a ver com Sabedoria e vice-versa (com tantos argumentos válidos em contrário).  

Aconteceu com os sonhos também. Freud e Jung captaram a vida própria das imagens oníricas e seu poder de questionar todas as nossas convicções conscientes; depois, vieram os dicionários de imagens e símbolos psíquicos para garantir à consciência que nem tudo está fora do controle, que um objeto longilíneo representa o falo e uma voz feminina representa a anima, então podemos dormir tranquilos, pois nenhum súcubo não catalogado virá nos visitar no meio da noite. De modo que a história da psique aparece como uma história da retomada de controle territorial do ego sobre os significados de significantes que ele não produz, mas dos quais toma conta assim que assumem o aspecto de uma ameaça: e assim chegamos às previsões sobre o imprevisível e impagável Mercúrio Retrógrado.

Acontece que a astrologia não é uma ciência explicativa do comportamento dos astros; é antes um espaço de escuta do que eles têm a dizer, o que presume que eles sempre terão algo novo a dizer, e não que repetem a mesma ladainha de três em três meses. Saber que Mercúrio está ou estará retrógrado ajuda, é claro, mas ajuda sobretudo se você souber entender que assim estão criadas as condições para que ele te surpreenda, e que, portanto, de nada vai adiantar se você não esquecer de fazer o backup dos arquivos nem de revisar o carburador, mas permanecer surdo para as mensagens que estão chegando através de outros utensílios até então silenciosos.  

Mercúrio rege a linguagem, afinal, então faz sentido que seus movimentos mais irreverentes causem pequenos curtos-circuitos na maneira como costumamos manejar signos e símbolos. Mercúrio Retrógrado torna-se assim uma pequena Saturnália, um carnaval em versão de bolso, quando as classificações usuais mostram suas insuficiências e as checklists da semana se revelam comicamente incapazes de dar conta de suas emergências.  “Espere o inesperado” parece ser a única dica em última instância apropriada para este movimento – mas mesmo ela pode acabar tendo o mesmo destino das outras. Chega uma hora em que de tanto ouvir as mesmas frases e recomendações elas perdem o sentido para nós, e então o que precisamos não é de mais frases feitas, e sim de um renovado respeito pelas potências desconhecidas que nossa linguagem nunca conseguirá delimitar.

Um comentário sobre “Como sobreviver a Mercúrio Retrógrado

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.