leão, peixes

Sonho de uma noite de Leão

Firedreaming | Malcom Maloney Jagamarra

Há uma descrição da cosmologia dos aborígenes da Austrália central segundo a qual a criação se divide basicamente em duas partes. Na primeira existe o “tempo do sonho”, dreamtime: uma dimensão eterna e primordial, também chamada de Alcheringa, com paralelos em outras culturas, mas que nesse caso ganha um aspecto mais especificamente onírico, não no sentido de tratar de coisas que não existem, mas presumindo que qualquer coisa, para existir, precisa ser sonhada antes. O segundo momento da criação é o canto. Ele implica que não bastou sonhar o mundo para que ele passasse a ser: foi preciso cantá-lo também, e só partir daí ele passou a ter os contornos que tem, de modos que suas paisagens e relevos são canções. Isso mesmo: cada montanha, cada cânion, cada riacho, seria então uma espécie de partitura, inscrita na superfície da terra através da própria voz de criaturas ancestrais, que pela primeira vez os percorreram enquanto cantavam o mundo. 

Acho que são os infinitos os motivos de encanto com essa ideia. Um deles está mencionado em O Oráculo da Noite: a história e a ciência do sonho, de Sidarta Ribeiro (2019), para quem a Alcheringa permite “uma experiência tão plena e aumentada, que voltar à vigília é como regressar a um sonho e adormecer é como despertar”. Também são muitas as possibilidades de expandi-la com analogias e especulações, como fez Bruce Chatwin em seu Songlines (1987), em uma mistura de ensaio e ficção que confere maior ênfase ao ato de “cantar a terra”, segundo ele continuamente repetido por tribos nômades em suas migrações. Nas duas leituras, o enfoque é alterado, mas a interdependência do sonho e do canto permanece, ao mesmo tempo em que a autossuficiência de ambos juntos se faz sentir. Nesse sentido, trata-se de uma cosmogonia incrivelmente exata e completa; nem por isso há guerras, disputas nem labutas envolvidas na criação do mundo; ele emergiu da imprecisa dimensão primordial, mas ganhou a precisão de seus traços geológicos através das melodias que então foram entoadas.

Na parte que me toca, chama a atenção que um cosmos assim gestado precisaria apenas de dois arquétipos zodiacais para ganhar existência. O primeiro deles é Peixes, pois é aí que o sonho se aloja, embora tradicionalmente o estereótipo do pisciano sonhático tenha mais a ver como uma iludida falta de senso prático do que com o potencial ato de criação de tudo que existe. Mas sim, podemos presumir que é das águas que surge do todo o resto, sobretudo quando supomos que basta entoar o sonho com a criatividade do canto para torná-lo real. É aí que entra Leão, pois o canto é arquetipicamente leonino, como são todas as ações dramáticas e performáticas que envolvem algum tipo de prazer ou brincadeira, como por exemplo – e por que não – a própria criação do cosmos.

Aliás, talvez exista alguma mitologia segundo o qual o mundo em que vivemos surgiu por ter sido um dia brincado por crianças, a partir de sua imaginação, e essa mitologia seria igualmente leonina e pisciana. Bom, talvez tivesse com componente de Gêmeos também. Mas não vou estender esse texto para muito além daqui. A ideia é justamente entretê-los com a possibilidade de um universo que dependeu apenas dessas desses dois atributos para brotar: a imaginação e a criatividade, o sonho e o canto. Percebam como cada um deles sozinho possui ainda algo de unilateral e insuficiente, e que o modelo fica meio capenga se tirarmos uma de suas pernas; juntas, porém, elas me fazem sentir que as coisas podem ter sido mesmo assim, e que podiam inclusive ter parado por aí. No que dependesse só de Peixes e Leão, acho totalmente possível uma divisão do trabalho em que cada um teria uma dessas tarefas, e as duas juntas teriam sido responsáveis pelo surgimento do universo. O que veio depois é lucro.  

Ou prejuízo, é claro, dependendo do ponto de vista. Pois isso inclui a própria ideia de “trabalho”, e só mesmo um capricorniano para mencionar tal palavra (pior: “divisão do trabalho”, Capricórnio com Saturno em Virgem) em um texto sobre uma cosmogonia tão alheia a esse conceito. Afinal, estamos falando de um mundo cujas estruturas e linhas gerais são de responsabilidade dos sonhadores, dos artistas e dos brincantes, que são os verdadeiros sustentáculos de tudo o que viria a seguir, e que não teria vindo se não tivesse sido sonhado e cantado. Estamos falando de um mundo em que a formiga depende da cigarra basicamente para existir, e onde o ócio e arte não são recompensas pelos esforços de um longo dia de canseira, mas sim as premissas onde tudo se inicia. Parafraseando Sidarta Ribeiro, seria um mundo onde ingressar na esfera do sono e da diversão seria o movimento mais sério que você teria a fazer.

Agora, se você parar para pensar, nada impede que as coisas sejam mesmo assim. E que cada um de nós, assim como as estrelas, os rios e os leopardos, seja uma canção que está sendo cantada nesse momento. Algumas canções são complicadas, outras são tristes, outras parecem não fazer sentido algum, e tem sempre as que dão bastante trabalho (ih, fiz de novo, foi mal). Mas nem por isso deixam de ser música, assim como as ravinas mais estreitas e os penhascos mais exaustivos não deixavam de ser o mundo tal como cantado pelos ancestrais dos aborígenes australianos, que o olhavam à sua volta como se contemplassem um espetáculo, e entendiam que só mesmo aqueles que sonham poderiam ter executado uma tão esplendorosa realidade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.