leão

O dia do Leão

Foto: Kedar Misani

Hoje é domingo, ‘dies solis’, dia do Sol, regente leonino. Domingo pode ser o mais excitante e o mais previsível de todos os dias. De forma semelhante, acho que o Sol é ao mesmo tempo o mais especial e o mais ordinário dos astros. Especial por sua posição de centralidade, sua visibilidade evidente, sua plena soberba diante dos corpos celestes ao redor. Ordinário porque é feito basicamente de luz, e luz é algo que existe por todos os cantos, é aquilo que produz todas as coisas. Afinal, como disse Goethe, como nosso olho reconheceria o Sol se ele mesmo não fosse solar?

O Sol, então, não é exatamente uma ‘coisa’, um objeto separado dos demais; é uma concentração de energia, do ‘ânimo’ que existe em todo o resto. E ânimo é uma palavra leonina, junto com prazer, paixão, brilho. Em Leão está a possibilidade de que tudo o que a gente faz seja feito com gosto, com deleite: pode ser jogo, pode ser trabalho, pode ser luta, pode ser preguiça. Leão é ao mesmo tempo mais e menos que um arquétipo; mais porque seus limites são indefiníveis como os do Sol, e menos pelo mesmo motivo, uma vez que isso faz dele um princípio animador presente em tudo e em todos.

Curiosamente, é mesmo difícil identificar mitos e narrativas que correspondam ao signo. Nada parece dar conta, e tudo vai um pouco além, como se qualquer história implicasse uma restrição ou uma ampliação indesejada. Há a imagem do Rei, assim como a do próprio Leão, mas elas podem muito bem permanecer intocadas em sua pureza por quaisquer outras especificações e detalhes. São o que são, se bastam, assim como o Apolo grego ficou conhecido não por suas complexidades, mas pela síntese de vitalidade e beleza que era capaz de oferecer num só olhar.

Há complexidades na alma leonina, é claro; seu orgulho não passa ileso por este mundo; o Rei às vezes reage a desatenções e contrariedades de um jeito meio exagerado; sua generosidade pode ser também acima do comum. Mas a alma – ‘anima’ – de todos nós contém esse elemento solar de um jeito ou de outro. O que chamamos de nosso ‘signo’, a propósito, é o nosso signo solar: a maneira como o Sol se manifesta em nós, de um jeito mais ostensivo e evidente, mais generoso mesmo, que os outros astros, e portanto de um jeito mais claramente identificável.

Assim, da mesma forma como a alma leonina contém outros astros – e sombras – misturados à sua luz, cada um de nós tem em si uma fonte especial de ânimo para realizar as mais distintas atividades: jogo, trabalho, luta, preguiça. O Sol em Capricórnio, por exemplo, é o Sol aparecendo em forma de cabra. O Sol em Áries é o Sol em forma de Carneiro. O Sol existe na casca no Escorpião, na pele do Sagitário, nos pratos da balança, nadando como um peixe. Em cada um desses disfarces ele encontra prazer, em cada uma dessas formas ele se exibe com gosto.

Porque pode ser trabalho, pode ser preguiça, pode ser luta, mas jogo sempre é. Lembrando que Leão é também o lugar da performance cênica. O Sol então brinca de ser cada uma dessas coisas, se diverte assumindo cada uma dessas personalidades, e, quando espera o aplauso no final, é porque o aplauso renova o ânimo, lava a alma, recompõe o combustível que queimou. Prazer, paixão, gosto: tudo isso gasta energia. Não é pedir demais que a gente devolva um pouco de energia ao Sol.

E, no final das contas, é tudo uma coisa só – aquele que aplaude e aquele que é aplaudido. Se o olhar humano foi uma maneira que o universo encontrou de contemplar a si mesmo, foi também uma maneira que encontrou de admirar a si mesmo. E, portanto, ele deve se considerar admirável, mas isso é só consequência da delícia que ele já sentia antes ao brincar e dançar sozinho, sem ninguém vendo, por puro deleite com as próprias habilidades.

Lembro de um professor de filosofia dizendo uma vez que a grande questão é porque existe algo, ao invés de nada. A resposta leonina para esta questão é: as coisas existem porque gostam de existir. O Ser sente prazer em Ser. O resto é silêncio. Ou melhor, é a música que toca em cada um de nós para que sejamos assim também.

Um comentário sobre “O dia do Leão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.