áries

O paraíso de Áries

Mestre de Boucicaut | Getty Museum

Lua nova em Áries. É quando aquilo que desconhecemos se inicia. O signo está relacionado a partos e nascimentos, e é em seu arquétipo que se dá à luz o novo e o inesperado. No entanto, Marte, o regente de Áries, é também regente de incisões e rupturas, então o que acontece nesse ponto não é exatamente uma gênese a partir do nada. Algo acontece que nos leva de um estado protegido e restritivo para uma realidade externa que atrai e propõe desafios; se formos buscar uma referência bíblica, podemos dizer que é aí que somos expulsos do paraíso.

Áries sucede Peixes na roda zodiacal, e ambos representam impulsos antagônicos. No âmbito pisciano buscamos um retorno à matriz, a imersão no cosmos, o reencontro com Deus – chame como quiser – mesmo que às custas de nosso ego e individualidade. Ou seja, queremos voltar para o paraíso, após um longo processo que atravessa as doze casas do zodíaco. Em Áries, por outro lado, a individualidade e a vontade são afirmadas, ou reafirmadas, a despeito das circunstâncias, da família, do Estado, e inclusive de um Deus que limita e constrange. Em Áries está o impulso de separação, que é também um impulso para a liberdade.

O processo então é cíclico, e o gesto ariano precisa ser periodicamente reencenado. Isso porque aquilo que chamamos de paraíso é nesse mundo muitas vezes uma prisão. Aliás, a palavra “paraíso” tem uma origem persa que se refere a um “lugar murado”, “para-daeza”, entre paredes. E a dissolução pisciana do ego de fato nos leva eventualmente a lugares enclausurados, onde nossa vontade individual é submetida a autoridades maiores (penitenciárias, sanatórios, mosteiros).

Mas, às vezes, a busca de reconstruir o paraíso na terra leva a formas mais sutis ou insuspeitas de restringir nossa liberdade ou constranger nossos movimentos. É sobretudo aí que o arquétipo ariano precisa agir, reencenando nosso nascimento como uma forma de libertação. Pois toda busca por estarmos plácida e confortavelmente instalados entre paredes é frustrada ou resulta em distorções; somente as paredes uterinas um dia serviram para este fim. Por isso, a cada vez que a liberdade do indivíduo é sacrificada em nome de um sonho de absoluta segurança, precisamos da bravura de Áries para derrubar aquilo que o medo construiu tentando se proteger.

O éden de Áries não é um lugar; é um gesto, um momento de independência e libertação. Mesmo que nos leve ao desconhecido, mesmo que cause incerteza, será preferido a qualquer sensação de segurança que exista às custas da verdadeira vida. Em uma época em que condomínios fechados são vendidos como lugares paradisíacos, por mais infernal que possa ser a existência em seu interior (e no interior dos espaços mentais que ajudam a restringir), está na hora de provarmos a árvore do conhecimento mais uma vez. Fica então o pedido: arianos do mundo, não desanimem. Em algum momento vamos ter que nascer de novo. Precisamos de vocês.

Um comentário sobre “O paraíso de Áries

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.